10 de dic. de 2014

Bom de ver - L. Moncada

bom de ver
o amor da gente
virando gente
boa de ver


4 de dic. de 2014

Ouso me olhar - Lota Moncada

Hoje, a paz veio me abraçar.
E uma aragem me despenteia e 
arranca do meu miúdo silêncio.

 Aprendi a ameigar, abrandar 
até quase desaparecer. 
No entanto, cresço, corro,
voo, chego, e fico. 
Visto a roupa da coragem, 
porque é preciso, só sendo aluado,
um tanto doido, desatinado, 
para se olhar de frente, e se ver. 
Para achar onde pousar a vertigem, 
a adrenalina desbordada, tanta vida 
maltrapilha, tanta ferida sangrada. 

Noiva do vento descubro-me ar, 
que me expira e te inspira, 
que filtra a existência e te penetra, 
me respira, me pulsa e te prenuncia, 
no precioso ato de sorver a vida. 

Sou a musa do olhar, a espada do encanto, 
a atriz da fábula sem fala, a bruxa do conto. 
Sou a que teme, mas chega. A alma que vem 
e a que foge, aquela que se enrola no teu sopro,
te despe e, arrebatadamente, te toma e se dá. 

 Tão-somente porque ouso me olhar.

Nemesio Antúnez ( Chile 1918 - 1993)

13 de nov. de 2014

Se foi Manoel, o poeta das inutilezas...

Ah, chorei aqui no meu canto! E eu não sou das 10 mais choronas não! 
Mas a morte, essa "Fêmea de mistério infinito, fiel e perene sombra" (este verso é de um poema meu, Às vezes penso na morte), sempre me bate forte! 

A do Manoel, essa delicadeza feito poeta, me faz sentir (mais) órfã. Eu sei que ele deixa uma imensa obra, que foi maravilhoso de mil modos, que ainda será... E eu sou agradecida por ter conhecido, por ter lido seus poemas, ouvido essa voz e esse jeito, um jeito "falso caipira" que, em suas palavras: 

"Me exibo através de ficar sob as cinzas. Sou sempre uma pose falsa tirada no escuro. Me exibo de costas. Eu faço o nada aparecer." Um enigma Manoel, ocupado com "inutilezas". 

Mas a sua falta física, "real", é para mim um momento de dor, e 
"Poesia exige sensibilidade. Se você não tem sensibilidade, preparo algum adianta." 

Manoel é Poesia.

28 de oct. de 2014

Se necesita una idea - Lota Moncada

Se necesita una idea.
A ser posible, genial.

Una idea nueva
como un año,
como una fiesta
alegre, cautivadora
como un enamorado.

Una idea que airee,
alboroce, complete,
me arrebate de mí,
me quite de aquí,
que me desquicie,
desafíe, provoque, 
una idea que mate
y resucite, me abisme
y me eleve.

Se necesita apenas
una idea.

Tan solo una idea,
capaz de irrumpir,
precipitarse, 
de alzar vuelo
y llevarme con ella.



A vida variada - Lota Moncada


24 de oct. de 2014

Zen - L. Moncada


Clique na imagem para ler melhor!

19 de oct. de 2014

Poemeto psicologista - Lota Moncada



Como vai a sua libido? 
Soltou  à queima-roupa 
um sabido de plantão. 
Pelo bafo e pela olhada
ao meu decote, o papo 
vinha  profundo... O perfeito 
freudiano de balada.

Libido? Libido? 
Devolvi-lhe um sorriso fatal,
vaga lume, boa (quiçá), 
lembrança de tempos idos. 
Sem reducionismo meu caro,
sou mais o tio Carl que curtia 
a vastidão da energia vital.


 "Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas. Mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana." 
                                                 Carl Gustav Jung



15 de oct. de 2014

Poema triste - Lota Moncada

 

Triste de dar pena,
como el triste vino
que bebemos en las noches,
llena la copa de tristeza ebria
hasta el borde, y más.

Pesadumbre cansina,
insiliada, lenta, a un paso
de la nada, plena tan sólo
de melancólica pena.


Entro a un café y sin pedirla
me la traen los adioses
bailando sobre las mesas,
surcando la manida senda.


Y ya que está aquí
- aunque no la quiera -
me la voy quedando,
tristeza-cola, bebida
sin limón ni hielo,
desabrida tristeza, y sola.


Bebida toda, sin pedirla,
mía hasta el borde, y más,
ebria de tristeza, lenta,
que desabrida baila
detrás de los adioses,
por la indebida senda.


A un paso de la nada
cansada de dar pena.

13 de sept. de 2014

Pequeña historia - Julio Moncada (poema inédito) y Otra mirada - Lota Moncada

Permítanme compartir con ustedes algo que hace parte de mi más íntima y remota memoria. 
Es un poema que mi padre me escribió cuando mi madre y su marido decidieron venir a vivir a Brasil. Yo vivía con ellos, tenía que venir también.

Mi relación con mi padre fue siempre muy estrecha, muy íntima, un tanto silenciosa, él, más introspectivo que yo todavía; pero muy amorosa y profunda. Alejarnos fue un dolor inmenso. Para ambos.
Algunos años después, 7 para ser exacta, volví a vivir en Montevideo, con él y su esposa, Nelly Goitiño.
Pero esa es ya otra historia! 
En esta noche de nostalgia les dejo el poema inédito, escrito en su máquina Royal de 1945...












































31 de ago. de 2014

Um presente de filho a mãe e vice-versa!

Bem feliz (e orgulhosa), com o filho que não parece prestar muita atenção aos meus poemas (e aos de mais ninguém!), recebo dia destes um terceto escrito por ele! Rapidamente resolvi colocar em imagem, e aí está!


Perguntas - Lota Moncada


Quem, a não ser eu
em busca do meu outro
poderia ser tão louco
a ponto de pular
sem rede, sem medo
- ou com ele - mas voar,
ao infinito, ao fundo
desse céu sumidiço?

Quem, a não ser você,
fugindo desse outro
responderia, e apenas,
com obstinado silêncio,
apagando sem delicadeza,
desdesenhando-se
afastando-se, oscilante
mas a passo ligeiro,
entre turvos adeuses?

Quem, a não ser você e eu,
esse fendido nós, 
acreditaria que, sangrando
veias e artérias,
poderiam ser contidas
as insanas torrentes
dessa paixão desandada?

O que fazer com as mãos
derramando o vazio,
a desamparada boca,
os inundados olhos?
E o quê, com meu corpo
ansioso e disposto
a entregar-se inteiro,
quebrados os elos
de um passado ermo?

O que fazer agora
que passou o espanto?

Sepultar os restos,
abafar o pranto
que insistente sobe
e se desencadeia
como uma rotunda
catarata de pena.
Aquietar o peito,
levantar cabeça,
conjugar pretéritos,
continuar à espreita,
o acaso surpreende
à volta da esquina
e pequenas frestas
clareiam a vida.

É preciso andar desperto,
sem fazer perguntas,
e que o futuro deixe de ser
tão somente um tempo.

29 de jul. de 2014

A viagem - Lota Moncada

Olho, a cidade me devolve
silêncio, banalidade.
Vou ao espelho, sem brilho,
não reconheço o que vejo.
Antropofágica me engulo,
nem mastigo na busca
insana do que aniquila
e resgata, arranca do casulo.


Onde a personagem, a forte,
a intensa, a falsa calma?
Entre estômago e pulmão,
ou enredada na traqueia,
mal respirando, ofegante,
debatendo-se entre as veias?

Tento, aflita, achar a alma
que desliza pelas vértebras
- nunca depressa o bastante -
se ocultando de fibra em fibra
nesse agoniante vagar.

Percebo um coração fatigado
- apenas corado, um nada -
se forçando a continuar.
Tanto o amor bateu na aorta...
Ah, Drummond, quem me dera
e ele batesse na porta!

Alpinista de garganta, contracorrente
escorrego, arrisco, nada adianta.
Numa ânsia regurgitada me entrego
- toda viagem tem prazo e preço -
alma sem palavras, extraviada,
não rima, não tece prosa, nem verso.

24 de jul. de 2014

Y... - Lota Moncada


Y les hablo, terca les hablo,
pero nada…Tan solo el silencio.

A veces, una mancha disforme,
humedad,  camaleónico moho
y su aliento, se me antoja respuesta.

Y pregunto, obstinada pregunto,
aguzo el oído…Solo el silencio.

Por instantes, el sonido sordo
de pasos perdidos, pisadas
sin marca, parece contestar.

Y velo, insomne vigilo,
plena de escucha y mudez.

Un segundo pasa como rabión,
arrasa hilachas de vida, en su lugar,
ausencia, aislamiento, miedo.

Y aun así, espero, victimizada espero,
me odio, y espero. En silencio.



30 de jun. de 2014

Palavras Palabras - 2014

O recital Palavras Palabras em sua nova versão (2014), com poemas meus em português e espanhol aconteceu neste sábado 28 de junho, às 19 h no Auditório Barbosa Lessa, do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo - Porto Alegre, Brasil.
Os poemas foram agrupados por afinidade temática: as Palavras, o Cotidiano, a Dor, o Amor e a Poesia. 
No grupo a Dor apresentei o meu pai, Julio Moncada, poeta chileno falecido no exílio em Paris em 1983. Dele li Destierro (1958) em espanhol e uma tradução minha ao português de El desconcierto (A perplexidade) incluído no livro Poemas de Malvín (1967). Agradeço, por mim e pelo meu pai, a emoção e as palmas recebidas nesse momento.
Também incluí nesse grupo o poema Meus dias de Clarice Almada, heterônimo feminino de João Antônio Pereira.
Publicarei algumas fotos na página do blog (Fotos), um pouco mais adiante porque o trabalho me reclama, mas foi ótimo!


12 de jun. de 2014

A lágrima - Lota Moncada.

Ilustração: Felipe Caldas
Poema ilustrado por Felipe Caldas e traduzido ao inglês pela poeta e tradutora, Cristina Macedo e  ao espanhol por mim, integra o Catálogo da Exposição Poesia Ilustrada (entre 10.6.2014 e 15.07.2014) dentro do Festival de Poesia AEDO  Cliquem no link para ver a programação e mais informações.



A lágrima

O sol está gelado.
Empurrado pelo vento
junho se insinua inverno.

A coreografia ensaiada
da última lágrima desliza
silenciosa e sensual
no canto da boca da noite.










Tear

The sun is gelid.
Pushed by the wind
June insinuated winter.

The tested choreography
of the last tear slides
Silent and sensual
ont the corner of the nigth mouth

(Tradução: Cristina Macedo)




 La lágrima

El sol está helado.
Empujado por el viento
junio se insinúa invierno.

La coreografía ensayada
de la última lágrima desliza,
silenciosa y sensual,
por el borde de la boca
de la noche.
                
(Tradução: Lota Moncada)


Lua de cidade - Lota Moncada



luz de faróis
verdes brancas
vermelhas alertas
fios enlouquecidos
cortando o ar
vigia o helicóptero
ou espia e ninguém
saberá se nada 
ou tudo 
é o que parece
ou será
mas apesar dos
sons profusos 
brilhos nada sufoca 
nem poderá a serena 
determinação 
de uma lua de cidade


8 de jun. de 2014

A veces pienso en la muerte - Lota Moncada - Às vezes penso na morte


Esta es la versión en español de mi poema, escrito originalmente en português, a pedido (vehemente) del amigo, maestro y escritor, Wilson Mesa. Espero que te guste Wilson, y gracias!


A veces pienso en la muerte.
Muchas veces pienso en ella.
Hembra de misterio infinito,
fiel y perenne sombra,
intermitente grito,
silencio pleno de
pesadilla y repulsa.

Algunas veces nos miramos.
Aún sin ver nos miramos.
Yo impotente, ensayando
señales, más lejos, más tarde,
fuera, fuera.
Ella sin risa, sin dolor,
sin lágrima, sin paz,
ahora.

¿Pensará en mí también?
¿O apenas, paciente,
aguarda un descuido,
un desisto, un desliz,
un instante cualquiera
marcado quién sabe dónde,
no se sabe cuándo,
por quién sabe quién?

Entonces veré sus ojos.
Andaremos juntas,
desconocidas íntimas,
podré contarle que 
muchas veces pensé en ella,
algunas la busqué,
otras tantas la odié,
que somos parecidas y
aunque encogida
me mantuve alerta.

Y ella dirá – tal vez –
con su voz sorda,
no tengo ojos,
ni recuerdos,
no te engañes
ni quieras engañarme,
no puede haber sentimiento
entre nosotras.


Às vezes penso na morte.
Muitas vezes penso nela.
Fêmea de mistério infinito,
fiel e perene sombra,
intermitente grito, 
silêncio prenhe de 
pesadelo e repulsa.

Algumas vezes nos olhamos. 
Mesmo sem ver nos olhamos.
Eu impotente, ensaiando 
sinais, mais longe, mais tarde, 
vá embora.
Ela sem riso, sem dor,
sem lágrima, sem paz, 
agora.

Pensará em mim também? 
Ou apenas, paciente,
aguarda um descuido,
um desisto, um tropeço, 
um  instante qualquer
marcado quem sabe onde,
não se sabe quando,
por quem sabe quem?

Então verei seus olhos.       
Andaremos juntas, 
desconhecidas íntimas,  
poderei contar que 
muitas vezes pensei nela,
algumas a busquei,
outras tantas a odiei,
que somos parecidas e 
mesmo encolhida
me mantive à espreita. 

E ela dirá - talvez- 
com sua voz surda,
não tenho olhos 
nem recordações,
não se engane 
nem queira me enganar,
não pode haver sentimento 
entre nós.

30 de may. de 2014

Dia 28 de junho: "Palavras de Lota e João!"


Poemas, canções, conVersa!

Dentro do Festival de poesia AEDO, no dia 28 de junho de 2014, às 19 h no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo - 
Porto Alegre.

Com João Antônio Pereira, poeta e músico, meu parceiro neste espetáculo, falaremos, leremos e (ele) cantará composições suas!
Venham, além de tudo, todas as atividades do AEDO têm entrada franca!



4 de may. de 2014

Sai solidão y Vete soledad - Lota Moncada

Sai solidão,
já não quero
teu silencioso chamego
solta minha mão
não te preciso, quero mais
o despudorado riso,
o contrário do aconchego
audaciosos dentes
emaranhadas línguas
cadências que afaguem,
vorazes,
na escuridão seminua
de qualquer lugar,
o meu peito urgente.
Sai solidão,
vê se me esquece
já não sou mais aquela
que resignada espera,
patético arremedo de gente,
um olhar de esguelha, um favor.
Sou a mesma e outras.
Enjoei da janela, do fogão,
da cama vazia, da cela,
da dor intermitente
à espera do laço
esfacelando a alegria
arrastando o meu passo.
Acabei aprendendo
a polir as escamas,
a limpar o jardim,
eivado de penas,
a talhar meu diamante
por duro que seja,
e embora às vezes
de alguma lição me descuide,
vai solidão, bem tranquila,
me solta enfim,
que a tua ausência
já não me aniquila.


Vete soledad
ya no quiero
tu silencioso apego
suelta mi mano
no te necesito, quiero sí
la desvergonzada risa,
el revés del sosiego
los audaces dientes,
enmarañadas lenguas
cadencias que acaricien,
voraces,
en la oscuridad semidesnuda
de cualquier lugar,
mi pecho urgente.
Vete soledad,
a ver si me olvidas
ya no soy aquella
que resignada espera,
patético simulacro de gente,
una mirada de lado, un favor.
Soy la misma, y otras.
Hastiada de ventana, patio,
de cama vacía, calabozo,
del dolor intermitente
a la espera del lazo
destrozando la alegría
arrastrando mi paso.
Terminé por aprender
a pulir las escamas,
a limpiar el jardín,
colmado de penas,
a tallar mi diamante
por duro que sea,
y aunque a veces
de alguna lección me descuide,
vete soledad, bien tranquila,
déjame en fin,
que tu ausencia
ya no me aniquila.

27 de abr. de 2014

Hoje amanheci Rosa... De Guima!

Para ler, clique na imagem.


"Um chamado João" - Carlos Drummond de Andrade  22/11/1967, três dias depois da morte de João Guimarães Rosa.

"João era fabulista?
fabuloso?
fábula?
Sertão místico disparando
no exílio da linguagem comum?
Projetava na gravatinha
a quinta face das coisas,
inenarrável narrada?
Um estranho chamado João
para disfarçar, para farçar
o que não ousamos compreender?
Tinha pastos, buritis plantados
no apartamento?
no peito?
Vegetal ele era ou passarinho
sob a robusta ossatura com pinta
de boi risonho?

Era um teatro
e todos os artistas
no mesmo papel,
ciranda multívoca?
João era tudo?
tudo escondido, florindo
como flor é flor, mesmo não semeada?
Mapa com acidentes
deslizando para fora, falando?
Guardava rios no bolso,
cada qual com a cor de suas águas?
sem misturar, sem conflitar?
E de cada gota redigia nome,
curva, fim,
e no destinado geral
seu fado era saber
para contar sem desnudar
o que não deve ser desnudado
e por isso se veste de véus novos?

Mágico sem apetrechos,
civilmente mágico, apelador
e precipites prodígios acudindo
a chamado geral?
Embaixador do reino que há por trás dos reinos,
dos poderes, das
supostas fórmulas
de abracadabra, sésamo?

Reino cercado
não de muros, chaves, códigos,
mas o reino-reino?
Por que João sorria
se lhe perguntavam
que mistério é esse?

E propondo desenhos figurava
menos a resposta que
outra questão ao perguntante?
Tinha parte com... (não sei
o nome) ou ele mesmo era
a parte de gente
servindo de ponte
entre o sub e o sobre
que se arcabuzeiam
de antes do princípio,
que se entrelaçam
para melhor guerra,
para maior festa?

Ficamos sem saber o que era João
e se João existiu
de se pegar."

15 de abr. de 2014

Quando for a hora - Lota Moncada (14.4.14)

dê-se tempo
tome tento
pule dentro 
ame solto
abra o peito
vire a mesa
doe um tanto

mas atine logo 
sinta no corpo
o desencanto 
e salte fora 
sem pena
sem pranto 
quando for a hora