16 mar. 2011

Passagem - Lota Moncada (in O segredo da crisálida)

Continuando com a ideia de postar os poemas que escolhi para o recital Palavras Palabras, apresentado em Curitiba em fevereiro de 2011, na excelente companhia dos multi-amigos e músicos Rosana Barroso e Gegê Félix, aqui vai o sexto. Nesta gravação, acrescentei um trecho de Invierno porteño, do sempre genial Astor Piazzola.  E embaixo, o poema em português.




E quem se importa se é passado?
Eu apenas, quem sabe,
e ainda assim relembro.
Matéria para escritos,
letra morta, sabor de sombras.

E quem lhe teme se é futuro?
Se virá ou não. Apenas eu,
e ainda assim o espero.
Matéria para sonhos,
brumas, ilusão, divagações.

Embora a fresta sutil,
inatingível passagem
entre fui e serei,
impossível colibri
pressente na névoa
a cruel aterrissagem,
bate asas na memória e
se esvai no esquecimento.

Entre o aroma do ontem
e o vislumbre  do amanhã,
hoje é nada.




No hay comentarios: